ACESSIBILIDADE | Judiciário capacita servidores para interpretação da Língua Brasileira de Sinais

Nesta sexta-feira (26), a partir das 17 horas, na ESMAM, os alunos apresentarão um “coral de sinais”. Aberto ao público,
23/07/2019

Servidores do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) estão sendo treinados para interpretação da Língua Brasileira de Sinais (Libras) – meio de comunicação objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas.

O Curso de Libras em Contexto é promovido pela Escola Superior da Magistratura (ESMAM), com duração de 60 horas. Na conclusão, nesta sexta-feira (26), a partir das 17 horas, na sede da escola judicial, os alunos colocarão em prática as técnicas de datilologia, em movimentos combinados e expressões faciais aprendidas, durante a apresentação de um “coral de sinais”.

O desembargador Froz Sobrinho, diretor da ESMAM, explica que a iniciativa atende ao disposto na Resolução 230/2016 do Conselho Nacional de Justiça, que orienta sobre a adequação das atividades dos órgãos do Poder Judiciário e de seus serviços auxiliares às determinações da Convenção Internacional sobre as Pessoas com Deficiência e pela Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

Nas aulas são trabalhados, de forma teórica e prática, exercícios sobre classificadores, alfabeto manual, parâmetros de Libras, numerais, saudações, tempo cronológico, sinais relacionados ao contexto do trabalho, cultura e comunidade surda, vocabulário, sinais relacionados ao contexto da família, frases completas, soletração rítmica, datas comemorativas, sinais de cores e de bairros, além do conteúdo voltado para a gramática como pronomes, advérbios, adjetivos e verbos.

COMUNICAÇÃO

“Usamos também técnicas que visam aprimorar a expressão facial e corporal na comunicação com os surdos”, acrescenta a psicopedagoga Giorgiana Castro dos Santos Lisboa, responsável pela formação. ”O aprendizado de Libras permite o efetivo acesso dos surdos ao Judiciário, além de valorizar e respeitar direitos, deveres e oportunidades da sociedade como um todo”, avalia a professora universitária intérprete de Libras.

A habilitação de servidores intérpretes de Libras é promovida pela ESMAM, desde 2009. Ao longo desse período, mais de 20 ações educacionais foram realizadas, capacitando cerca de 600 alunos, nos níveis Básico I e II.

Além dessa turma, a escola judicial planeja para o segundo semestre deste ano a realização de uma série de cursos de capacitação para servidores interessados no aperfeiçoamento em Libras.

VEJA O CALENDÁRIO DE CURSOS DA ESMAM

Em maio deste ano, com o apoio da Secretaria de Estado da Educação e do Centro de Apoio e Ensino às Pessoas com Surdez (CAS), palestras promovidas pela ESMAM e abertas ao público passaram a ser traduzidas para a Língua Brasileira de Sinais. A primeira apresentação ocorreu durante a palestra Prisão Cautelar e Inovações Jurisprudenciais, proferida pelo ministro Joel Paciornik, no Fõrum de São Luís.

Pela Lei nº. 10.436, de 24 de abril de 2002, deve ser garantido, por parte do poder público, formas institucionalizadas de apoiar o uso e a difusão da Língua Brasileira de Sinais como meio de comunicação objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas do Brasil.

Comunicação ESMAM

esmam@tjma.jus.br

(98) 3235 3231
 

GALERIA DE FOTOS