Portal do Poder Judiciário do Estado do Maranhão

BG Comunicados
Clique para fechar

AVALIAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

A Divisão Médica do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), informa aos magistrados e servidores do Poder Judiciário, que o prazo para a Avaliação Anual de Saúde 2019 de magistrados e servidores finalizou no dia 31/12/2019. Não havendo prorrogação. As avaliações de 2020 serão realizadas de acordo com o mês de aniversário. Estando aberto o Sistema SALUS a partir de 07.01.2020 para envio das Avaliações, podendo ser utilizados os exames de 2019, desde que não excedam 180 (cento e oitenta) dias da sua realização. A participação de magistrados e servidores é fundamental para um avanço, ainda maior, do programa de prevenção de doenças e controle dos afastamentos desenvolvido por este Poder Judiciário, que visa, sobretudo, o bem-estar dos magistrados e servidores.  

Busca ▼
Para o desembargador Joaquim Figueiredo, é importante reconhecer a contribuição cultural dos afrodescendentes (Foto: Ribamar Pinheiro)

Para o desembargador Joaquim Figueiredo, é importante reconhecer a contribuição cultural dos afrodescendentes (Foto: Ribamar Pinheiro)

IGUALDADE | Desembargador Joaquim Figueiredo reconhece contribuição dos afrodescendentes à cultura brasileira

20
NOV
2019

14:04

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), desembargador Joaquim Figueiredo, afirmou que os afrodescendentes têm o respeito e o reconhecimento do Poder Judiciário Estadual na luta pela dignidade e igualdade social.

A afirmação foi feita nesta quarta-feira (20) – Dia da Consciência Negra – na presença da desembargadora Angela Salazar (presidente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJMA), do ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE), desembargador José Bernardo Silva Rodrigues, de lideranças do movimento negro de São Luís e servidores do TJMA.

Para o desembargador Joaquim Figueiredo, é de suma relevância reconhecer a importância dos afrodescendentes no desenvolvimento e na construção da sociedade brasileira, preservando os valores culturais, históricos, sociais e econômicos decorrentes da influência africana no Maranhão e no país.

Na ocasião, o desembargador José Bernardo Silva Rodrigues disse que a luta dos negros contra a discriminação racial e a desigualdade social exige uma profunda reflexão, sob o ponto de vista da Constituição Federal, onde estão estabelecidos os direitos que devem ser protegidos e respeitados.

A desembargadora Angela Salazar, por sua vez, afirmou que o acesso aos direitos garantidos à população negra na Carta Magna implica em profundas mudanças na sociedade.

Na oportunidade, o presidente da Associação Cultural de Tambor de Crioula do Maranhão, Paulinho Dimaré Bertholdo, e outras lideranças do movimento presentes agradeceram ao presidente do Tribunal de Justiça pelo caráter democrático do diálogo estabelecido com os grupos afrodescentes de São Luís.

Ao final, foi entregue ao presidente do Tribunal de Justiça um documento com várias ponderações sobre igualdade racial consideradas pertinentes pelos integrantes do movimento negro.

 

Comunicação Social do TJMA
asscom@tjma.jus.br
(98) 3198.4370

Para acompanhar as notícias do Poder Judiciário, siga o nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

aspas É permitida a reprodução do conteúdo publicado neste espaço, desde que citada a fonte.aspas2