Portal do Poder Judiciário do Estado do Maranhão

BG Comunicados
Busca ▼
Juiz do TJMA é o novo presidente do Fonamec. Foto: Divulgação

Juiz do TJMA é o novo presidente do Fonamec. Foto: Divulgação

CONCILIAÇÃO | Juiz Alexandre Abreu é o novo presidente do Fonamec

22
ABR
2019

11:43

O juiz Alexandre Lopes de Abreu, titular da 15ª Vara Cível da Comarca da Ilha de São Luís, foi eleito presidente do Fórum Nacional de Mediação e Conciliação (Fonamec). A escolha ocorreu, no último dia 12 de abril, durante encontro realizado em Goiânia (GO).

O magistrado também é coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do Tribunal de Justiça do Maranhão (Nupemec/TJMA).

Na referida data, o Fórum elegeu seus novos dirigentes. O 1º vice-presidente eleito é o desembargador Raduan Miguel Filho, do Tribunal de Justiça de Rondônia; e a 2ª vice-presidente, a juíza Luciana Yuki Fugishita Sorrentino, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (DF).

O Fonamec – em sua 8ª edição – tem como proposta trazer novidades para a solução de conflitos sem utilizar a via judicial. A iniciativa aconteceu no plenário do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), e contou com a participação do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Paulo de Tarso Sanseverino, que palestrou sobre demandas de massa.

O magistrado Alexandre Abreu agradeceu pela escolha feita pelo Fonamec, ressaltando a importância do fórum para fomentar a política de conciliação, no país, compartilhando as boas práticas estaduais e nacionais dos tribunais e seus respectivos núcleos de solução de conflitos.

“Estou muito feliz e honrado com esse novo desafio à frente da Presidência do Fonamec, entidade que atua para o desenvolvimento e compartilhamento das experiências dos Nupemec’s, assim como a responsável pela interlocução com diversos organismos públicos e privados que lidam com demandas de massa, para implementação de ações efetivas na solução de conflitos. Responsável pela implantação da Política Nacional de Tratamento Adequado de Conflitos, as ações dos Nupemec’s vêm tornando real a promessa constitucional do acesso universal aos meios adequados de solução de Conflitos”, pontuou.

O Fonamec possibilita a troca de conhecimentos, experiências e boas práticas entre representantes dos Núcleos de Conciliação de todo o país.

“Um dos maiores problemas enfrentados pelo Judiciário brasileiro é, indiscutivelmente, o crescente volume de processos. Com essa preocupação, o Fórum Nacional tem aprofundado o debate sobre a mediação digital, que se constitui numa alternativa moderna, fácil, ágil, que possibilita ao cidadão solucionar suas demandas, em plataformas públicas ou privadas”, frisou o magistrado.

Alexandre Abreu enfatizou que o Tribunal de Justiça do Maranhão está avançado nessa questão, com iniciativas importantes, a exemplo do programa de estímulo ao uso dos meios digitais de solução de conflitos, aprovado pela Corte. Ele citou também a Resolução nº 8/2017, que determina as medidas a serem adotadas pelo Judiciário, para orientar magistrados e servidores quanto ao uso das plataformas digitais e suas vantagens.

FÓRUM 

O Fórum Nacional de Mediação e Conciliação foi instituído em 12 de dezembro de 2014, durante o Encontro Nacional dos Núcleos de Conciliação promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Visa promover discussões e apresentar boas práticas para aprimorar o exercício das funções desempenhadas por seus integrantes, buscando aperfeiçoar cada vez mais os métodos consensuais de solução de conflitos por meio do intercâmbio de experiências.

Com atuação em âmbito nacional, o Fonamec é formado pelos coordenadores dos Núcleos Permanentes de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemecs) dos Estados e do Distrito Federal e pelos magistrados dirigentes dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscs).

Comunicação Social do TJMA
asscom@tjma.jus.br
(98) 3198-4300 

Para acompanhar as notícias do Poder Judiciário, siga o nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

aspas É permitida a reprodução do conteúdo publicado neste espaço, desde que citada a fonte.aspas2