Portal do Poder Judiciário do Estado do Maranhão

BG Comunicados
Clique para fechar

CANAIS DE COMUNICAÇÃO - FÓRUM DE IMPERATRIZ

CONTATOS FÓRUM DE IMPERATRIZ Diretoria (99) 98815-0006 1ª Vara Cível (99) 99150-0687 falecoma1acivel@outlook,com 2ª Vara Cível (99) 98122-2415 varaciv2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara Cível (99) 98121-7422 varaciv3_itz@tjma.jus.br 4ª Vara Cível (99) 98130-1365 varaciv4_itz@tjma.jus.br 1ª Vara Criminal (99) 99191-2803 varacrim1_itz@tjma.jus.br 2ª Vara Criminal (99) 98139-1515 varacrim2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara Criminal (98) 98286-5961 varacrim3_itz@tjma.jus.br Central de Inquéritos (99) 3529-2023 whattsApp (99) 98164-0119 centralcustodia.itz@gmail.com Vara de Execuções (99) 98413-0100 vep_itz@tjma.jus.br 1ª Vara da Família (99) 99124-5524 varafam1_itz@tjma.jus.br 2ª Vara da Família (99) 99186-7374 varafam2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara da Família (99) 98819-1049 varafam3_itz@tjma.jus.br Vara da Fazenda Pública (99) 98809-0317 varafaz_itz@tjma.jus.br 1º Juizado Cível (99) 98486-3172 juizciv1__itz@tjma.jus.br 2º Juizado Cível (99) 99989-6346 juizciv2_itz@tjma.jus.br Juizado Criminal (99) 98150-7627 (99) 3524-7155 whattsApp juizcrim1_itz@tjma.jus.br Turma Recursal (99) 98806-7666 whattsApp turmarecursal_itz@tjma.jus.br Vara da Mulher (99) 98414-6823 varamulher_itz@tjma.jus.br Vara da Infância (99) 98123-4161 whattsApp (99) 98404-8999 varainf_itz@tjma.jus.br Distribuição (99) 98144-3392 secdistrbuicao_itz@tjma.jus.br Contadoria (99) 99179-5905 (99) 98414-9622 contadoria_itz@tjma.jus.br Central de Mandados (99) 98170-6497

Clique para fechar

ATENDIMENTO GERAL CGJ | TELEFONE | EMAIL

ATENDIMENTO GERAL CGJ Telefone: (98) 3198-4600 Email: protocolo_cgj@tjma.jus.br

Clique para fechar

1ª VARA DE COROATÁ | TELEFONES DE CONTATO

A Comarca de Coroatá informa que o telefone da 1ª Vara continua apresentando problemas. Foi solicitado o respectivo reparo em 12/05/20 (Processo nº 159242020), mas até o momento não foi solucionado. Até que haja a correção do defeito, a Secretaria Judicial estará atendendo pelos telefones (99) 99148-6004, (99) 98108-3901, (99) 98192-5242 e (98) 99114-2565 e pelo e-mail vara1_cor@tjma.jus.br.  

Busca ▼
ilustração

ilustração

PAÇO DO LUMIAR | Município é condenado a promover obras de melhoria nos Residenciais Carlos Augusto e Upaon Açu

08
NOV
2019

10:55

Uma sentença da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís condenou o Município de Paço do Lumiar a executar, no prazo máximo de 1 (um) ano, obras de pavimentação asfáltica na Avenida Carajás e ruas transversais, nos Residenciais Carlos Augusto e Upaon Açu, em Paço do Lumiar, com rede de drenagem de águas pluviais. O Município foi condenado, ainda, ao pagamento de indenização a título de dano moral coletivo, da importância de R$ 50 mil, valor que deverá ser revertido ao Fundo Estadual de Direitos Difusos. Trata-se de ação civil pública, proposta pelo Ministério Público tendo como parte requerida o Município de Paço do Lumiar.

Conforme o pedido, o Ministério Público alega que os moradores do Residencial Carlos Augusto noticiaram que a Avenida Carajás e todas as ruas transversais não possuem infraestrutura, pavimentação e saneamento básico. Relata, ainda, que técnicos do MP compareceram ao local, atestando o fato e instruindo o processo com fotografias. Afirma, também, que entrou em contato com o Município de Paço do Lumiar por diversas vezes, mas não obteve resposta. Diante da inércia da administração municipal, resolveu requerer junto à Justiça que o réu fosse obrigado de imediato a efetuar obras de infraestrutura necessárias à circulação segura de veículos, inclusive, ônibus, na Avenida Carajás e transversais do Residencial Carlos Augusto e Upaon-Açu.

A parte autora solicitou a produção de prova testemunhal e inspeção judicial ou perícia nos bairros citados no processo, com o objetivo de comprovar e atestar quais as obras necessárias para que os bairros tenham saneamento básico. “Inicialmente, indefiro o pedido de provas formulado pelo autor por ser desnecessários testemunhas ou inspeção judicial para averiguar as ruas que necessitam de saneamento ou asfaltamento, haja vista que matéria fática da presente demanda é incontroversa”, explanou o juiz Douglas de Melo Martins na sentença. Para o magistrado, “a política de desenvolvimento urbano tem por finalidade proporcionar aos habitantes das cidades uma vida com qualidade, satisfazendo os direitos fundamentais, tais como a moradia digna, a livre e tranquila circulação, o lazer, a recreação, bem como a limpeza pública e a coleta e a disposição de resíduos sólidos, dentre outros”.

A sentença pontua que os fatos narrados pelo MP representam afronta a direitos fundamentais como o direito à vida saudável, ao meio ambiente equilibrado e à saúde. “Porquanto impõe à comunidade o convívio diário com uma situação desprovida de condições de habitabilidade digna e que representa risco à saúde pública (…) Nas fotos anexadas ao processo é indiscutível a situação de calamidade nas ruas objeto desta demanda, como ausência de pavimentação e saneamento básico. Verifica-se ainda a existência de esgoto a céu aberto o que atrai todo tipo de vetores, como barata, mosca entre outros, influenciando diretamente na saúde dos moradores. Ademais, os moradores informaram que a intensa poeira tem causado problemas cardiorrespiratórios, asma, bronquite, irritação na garganta entre outros males”, fundamentou Douglas Martins.

“De outro lado, não podemos descuidar da possibilidade material do ente público. É evidente que a falta de recursos orçamentários, tempo para realização de licitação etc servem para conceder um prazo razoável para o cumprimento da obrigação imposta, sem, contudo, significar um ‘salvo-conduto’ para negar dar efetividade ao direito. É o que prega o artigo 22 da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (…) Entendo como sendo razoável o prazo de 1 (um) ano para cumprimento da obrigação, tendo em vista os obstáculos e as dificuldades reais do gestor e as exigências das políticas públicas a seu cargo. Quanto ao pedido de condenação do réu por dano moral coletivo, tendo em vista que a pretensão deduzida em juízo se dirige à defesa de direitos difusos, entendo que merece acolhimento”, finaliza a sentença, citando o abalo moral sofrido pela comunidade.

 

Michael Mesquita
Assessoria de Comunicação
Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão
asscom_cgj@tjma.jus.br
www.facebook.com/cgjma
 

Para acompanhar as notícias do Poder Judiciário, siga o nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

aspas É permitida a reprodução do conteúdo publicado neste espaço, desde que citada a fonte.aspas2