Portal do Poder Judiciário do Estado do Maranhão

BG Comunicados
Clique para fechar

CANAIS DE COMUNICAÇÃO - FÓRUM DE IMPERATRIZ

CONTATOS FÓRUM DE IMPERATRIZ Diretoria (99) 98815-0006 1ª Vara Cível (99) 99150-0687 falecoma1acivel@outlook,com 2ª Vara Cível (99) 98122-2415 varaciv2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara Cível (99) 98121-7422 varaciv3_itz@tjma.jus.br 4ª Vara Cível (99) 98130-1365 varaciv4_itz@tjma.jus.br 1ª Vara Criminal (99) 99191-2803 varacrim1_itz@tjma.jus.br 2ª Vara Criminal (99) 98139-1515 varacrim2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara Criminal (98) 98286-5961 varacrim3_itz@tjma.jus.br Central de Inquéritos (99) 3529-2023 whattsApp (99) 98164-0119 centralcustodia.itz@gmail.com Vara de Execuções (99) 98413-0100 vep_itz@tjma.jus.br 1ª Vara da Família (99) 99124-5524 varafam1_itz@tjma.jus.br 2ª Vara da Família (99) 99186-7374 varafam2_itz@tjma.jus.br 3ª Vara da Família (99) 98819-1049 varafam3_itz@tjma.jus.br Vara da Fazenda Pública (99) 98809-0317 varafaz_itz@tjma.jus.br 1º Juizado Cível (99) 98486-3172 juizciv1__itz@tjma.jus.br 2º Juizado Cível (99) 99989-6346 juizciv2_itz@tjma.jus.br Juizado Criminal (99) 98150-7627 (99) 3524-7155 whattsApp juizcrim1_itz@tjma.jus.br Turma Recursal (99) 98806-7666 whattsApp turmarecursal_itz@tjma.jus.br Vara da Mulher (99) 98414-6823 varamulher_itz@tjma.jus.br Vara da Infância (99) 98123-4161 whattsApp (99) 98404-8999 varainf_itz@tjma.jus.br Distribuição (99) 98144-3392 secdistrbuicao_itz@tjma.jus.br Contadoria (99) 99179-5905 (99) 98414-9622 contadoria_itz@tjma.jus.br Central de Mandados (99) 98170-6497

Clique para fechar

ATENDIMENTO GERAL CGJ | TELEFONE | EMAIL

ATENDIMENTO GERAL CGJ Telefone: (98) 3198-4600 Email: protocolo_cgj@tjma.jus.br

Clique para fechar

1ª VARA DE COROATÁ | TELEFONES DE CONTATO

A Comarca de Coroatá informa que o telefone da 1ª Vara continua apresentando problemas. Foi solicitado o respectivo reparo em 12/05/20 (Processo nº 159242020), mas até o momento não foi solucionado. Até que haja a correção do defeito, a Secretaria Judicial estará atendendo pelos telefones (99) 99148-6004, (99) 98108-3901, (99) 98192-5242 e (98) 99114-2565 e pelo e-mail vara1_cor@tjma.jus.br.  

Busca ▼
ilustração.

ilustração.

MORADIA | Prefeitura de São Luís deve regularizar ocupação de 50 famílias no Residencial Bacanga

12
FEV
2019

10:48

A Prefeitura de São Luís deverá promover, no prazo de três anos, a regularização fundiária urbana (Reurb) dos imóveis que compõem a ocupação no lugar denominado Residencial Bacanga, próximo à Vila Mauro Fecury I, adotando para isso, todas as medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais e sociais pertinentes. A determinação é do juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Capital, em sentença assinada na última sexta-feira (8).

A ação foi ajuizada Defensoria Pública Estadual (DPE-MA) contra o Município de São Luís e a Rádio e TV Difusora do Maranhão, requerendo a regularização fundiária da área em favor das 50 famílias residentes no local desde 2008.

Em manifestação, a Difusora alegou ter adquirido a área do Município de São Luís, por meio de compra e venda. “É impossível alegar direito de moradia em propriedade privada, bem como a impossibilidade de desapropriação por interesse social”, sustentou no processo. O Município de São Luís defendeu a reserva do possível, e a falta de condições orçamentárias para realocação das famílias. Pediu ao magistrado, a improcedência dos pedidos da Defensoria.

JULGAMENTO – O magistrado inicia citando a Constituição Federal, que descreve a moradia, como um direito social (artigo 6º) ligado ao princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1, III, da CF) e como um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, para a erradicação da pobreza e da marginalização e na redução das desigualdades sociais. “Além disso, por enquadrar-se na categoria de direitos fundamentais de 2ª Geração, exige prestações positivas do Estado para sua efetivação. Não por acaso, o Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (PIDESC), adotado pela Assembleia Geral da ONU em 1966 e ratificado pelo Brasil em 24 de janeiro de 1992, dispõe em seu art. 11º, item 1, que os Estados pactuantes tomarão medidas apropriadas para assegurar a todas as pessoas uma moradia adequada”, frisa Douglas Martins.

E prossegue ressaltando que “na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.” Cita, conforme inserido aos autos, especialmente a inspeção judicial realizada na área objeto de discussão, que a ocupação se consolidou de maneira irreversível. “No auto de inspeção, há uma nítida divisão de paisagem no terreno, sendo uma parte ocupada e outra extensa área verde, onde se encontra a torre de transmissão da Rádio e TV Difusora do Maranhão. Verificou-se, ainda, que a maioria das habitações são construídas em alvenarias, com existência de instalações elétricas, instituições religiosas e muitas obras em andamento”, pontua.

O juiz finaliza informando que a medida de regularização fundiária e urbana preservam o erário municipal, uma vez que a remoção das famílias para outro local, e construção de unidades habitacionais seria muito mais dispendioso do que regularizar o assentamento urbano informal, mesmo que tal medida possa resultar em alguma pretensão de natureza indenizatória por parte da municipalidade, cuja discussão, se existente, deverá ser feita em esfera própria.

 

Márcio Rodrigo

Assessoria de Comunicação

Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão

asscom_cgj@tjma.jus.br

www.facebook.com/cgjma

Para acompanhar as notícias do Poder Judiciário, siga o nosso Twitter e curta nossa página no Facebook.

aspas É permitida a reprodução do conteúdo publicado neste espaço, desde que citada a fonte.aspas2